quarta-feira, 30 de março de 2011

Exposição "Silêncio no Palco" homenageia o coreógrafo João Cláudio Cunha

Artistas de Sete Lagoas relembram a trajetória de João Cláudio Cunha, bailarino e coreógrafo que levou o nome da cidade aos principais festivais de dança

A vida e a obra do bailarino e coreógrafo João Cláudio Cunha serão lembradas na exposição "Silêncio no Palco", que acontecerá na Galeria Myralda (anexo da Casa da Cultura), entre os dias 6 de abril e 6 de maio. João Cláudio dirigia o grupo de Dança Corpinho e a Officina Corpo & Dança. Durante os últimos cinco anos, o bailarino assistiu o crescimento de seus grupos de dança em festivais e concursos de nível nacional. Em 2009, como resultado de muita dedicação e garra, as crianças do grupo Corpinho ganharam dois prêmios no festival de Nova Lima (MG).A Officina Corpo & Dança tinha 21 anos. Nos primeiros dias de março, a Secretaria Municipal de Cultura e Comunicação e a Prefeitura de Sete Lagoas expressaram profundo pesar pelo falecimento do coreógrafo João Cláudio Cunha.

Profissional de reconhecimento nacional, João Cláudio levou o nome de Sete Lagoas a várias cidades do Estado e do Brasil, através de seu trabalho imbuído de talento, garra e generosidade. O lançamento da exposição acontecerá na terça-feira, dia 5, às 20h, com entrada franca. A partir do dia 6, a entrada também será gratuita e aberta ao público.

A exposição “Silêncio no Palco” é uma realização da Prefeitura Municipal de Sete Lagoas, com os apoios: da Secretaria Municipal de Cultura e Comunicação; da família Gonçalves Cunha; dos amigos de João Cláudio; e das empresas Carmóveis e Estética Saúde e Vida.

O tributo em homenagem ao bailarino e coreógrafo tem a curadoria dos artistas Demétrius Cotta e Leandro Lupiano. “Os artistas de Sete Lagoas sentirão muito a ausência de João Cláudio, que foi um profissional extremamente íntegro e talentoso”, afirmam os curadores.


O secretário municipal de Cultura e Comunicação, Fredy Antoniazzi faz questão de relembrar que João Cláudio “foi também um incentivador da cultura sete-lagoana”.

Exposição “Silêncio no Palco”

Um tributo a João Cláudio Cunha

Local: Galeria Myralda – Casa da Cultura (avenida Getúlio Vargas, 91, centro)

Período: 6 de abril a 6 de maio (entrada franca)

Horário: Segunda a sexta-feira, de 8 às 18 horas

Curadoria

Demétrius Cotta – Artista Plástico graduado em Propaganda e Publicidade e Educador Social pela PUC-SP. Cursou arte livre pela EAV/Parque Lage (RJ).

Leandro Lupiano – Artista Plástico graduado em Comunicação Visual pela Fundação Universitária Mineira de Arte (FUMA). Cursou arte livre na Escola Guinard, em Belo Horizonte. Atual diretor do Centro Cultural Nhô-Quim Drummond (Casarão).

Fonte: Comunicação/Prefeitura de Sete Lagoas e arquivo da família

segunda-feira, 28 de março de 2011

Serão Poético na Casa da Cultura

No próximo sábado, dia 2 de abril, a Casa da Cultura recebe o 189º encontro das artes e literatura, o chamado o Serão Poético. Nesta seraoedição do evento serão feitas homenagens ao Dia do Livro, ao Dia de Tiradentes e ao historiador Márcio Vicente Santos.

Serão feitas apresentações de poemas, trovas, música, dança e teatro, além de performances e “contação de causos”. A entrada é gratuita. A organização é do Clube de Letras de Sete Lagoas e da Secretaria de Cultura e Comunicação Social. As atividades começam a partir das 20hs.

sexta-feira, 25 de março de 2011

Oportunidades: Noite Fora do Eixo em Patos de Minas


O Coletivo Peleja realizará mais uma Noite Fora do Eixo dia 16 de abril _evento mensal e comum a todos os coletivos da rede_ e abriu vagas para as bandas se inscreverem no Toque no Brasil. A única restrição para a banda se inscrever é ser um show só de músicas autorais, valor muito comum às bandas que se dispõem a circular pelo circuito.
As Noites Fora do Eixo começaram como iniciativa de intercâmbio da produção musical entre os coletivos que formam o Circuito Fora do Eixo e alcançam 500 eventos por ano, responsável pela circulação constante de 1500 artistas em todo o Brasil. Desde então, a rede cresceu e o projeto se multiplicou. Para sistematizar um plano de ações dos eventos que acontecem regularmente nos 70 pontos espalhados no país. Normalmente ocorrem pelo menos uma vez por mês em cada ponto e é sempre uma oportunidade de circulação para as bandas que estão começando a carreira.
Para se inscreverem na Noite Fora do Eixo do Coletivo Peleja clique aqui. As inscrições vão até o dia 31/03!

quarta-feira, 23 de março de 2011

Oportunidades: Banda Dibigode seleciona artistas para compor o material gráfico do CD

A banda belorizontina Dibigode está propondo um edital para selecionar 8 artistas que irão compor o encarte do CD patrocinado realizado com os benefícios do Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais com veiculação nacional. Os selecionados serão remunerados em R$ 600,00 cada e terão seu trabalho circulando em todo o Brasil, com os devidos créditos publicados no CD.
Ficou interessado? Mande seu portifólio para o edital.dibigode@gmail.com entre os dias 18/03 e 28/03 e faça parte desse experimento!

Conheça o trabalho da banda: www.myspace.com/dibigode

terça-feira, 22 de março de 2011

Grito.Doc Episódio 10 - Sete Lagoas / MG

O Grito.Doc é um documentário construído de de forma colaborativa sobre o Grito Rock. Cada cidade produtora do festival produz um episódio, tratando de um tema específico dentro da edição em sua cidade para depois ser montado um produto com todos os episódios que retratará o Grito Rock em sua dimensão continental. O vídeo final será distribuído por vários cineclubes e parceiros em todo o país, através da DF5 - Distribuidora de Filmes Fora do Eixo -, além da autoração de um dvd com todos os episódios disponível para download.

Em Sete Lagoas retratamos a construção do Monumento ao Rock e os shows sob a olhar do artista Felipe Godoy, que participou da construção do monumento e é vocalista da banda Absinto Muito, que se apresentou na Praça Tiradentes.
Assista ao Doc e aguarde que vem mais cobertura audiovisual do Grito Rock por aí!




Todo o material audiovisual produzido pelo Colcheia é filmado e editado pelo Vleydson, integrante do coletivo que, para a captação de imagens no Grito Rock, contou com a colaboração de mais dois amigos, Eduardo e Fernando.

segunda-feira, 21 de março de 2011

O que é o Fora do Eixo?

Para você que sempre nos vê aqui falando desse tal de Fora do Eixo e nunca entendeu realmente sobre o que falávamos resolvemos fazer um post específico para você:

Pautado nos princípios da economia solidária e no trabalho colaborativo, produtores culturais de Cuiabá (MT), Rio Branco (AC), Uberlândia (MG) e Londrina (PR) uniram-se, em 2005, com o intuito de circular bandas independentes. Essa iniciativa foi batizada de Circuito Fora do Eixo.
Nesses cinco anos, o circuito ganhou força e hoje é formado por representações nos 26 estados brasileiros, no Distrito Federal e em três Países da América Central e um País da América do Sul, além do Brasil, somando 106 localidades, entre Pontos de Articulação Fora do Eixo, Pontos Parceiros, Pontos de Linguagem e Pontos Regionais.

Se inicialmente as relações de mercado eram mais favoráveis às iniciativas do setor da música, hoje o circuito realiza ações integradas a todos os coletivos e linguagens, fortalecendo o conceito da multilinguagem. O Circuito Fora do Eixo é uma rede de coletivos que atua como multiplicador da cultura, e não apenas no fomento, mas também no estímulo à formação de seus agentes culturais.

Os trabalhos são organizados em frentes temáticas, como Economia Solidária, Centro Multimídia, Tecnologias Livres, Artes Visuais, Música, Clube de Cinema, Palco, Partido da Cultura, Universidade FDE, Fora do Eixo Letras. Cada uma das frentes é formadas por agentes produtores dos mais diversos pontos Fora do Eixo de todo o Brasil, que são responsáveis pela concepção dos projetos desenvolvidos pela rede, bem como pela sua aplicação nas cidades.

Ficou curioso e quer saber mais?
Fizemos um complilado de links sobre o Cicuito para você navegar e pesquisar:
Rede social do Fora do Eixo
Wiki Fora do Eixo
Artigo no Overmundo a respeito da rede
Casa Fora do Eixo em São Paulo (escritório nacional)
Organograma do Circuito
Blog do FDE Card (frente temática responsável pela sistematização dos trabalhos)

domingo, 20 de março de 2011

Universidade da Cultura Livre, o que é isso?!


O Circuito Fora do Eixo participou da criação da Unicult (Universidade da Cultura Livre) e essa semana está presente no I Fórum da UniCult, em Salvador. Conheça um pouco mais do projeto dessa livre de academicismos e engessamentos tradicionais da nossa atual academia:
Conceito
A Universidade da Cultura Livre (Unicult) é um consórcio de instituições multilaterais — integrando universidades, coletivos, órgãos governamentais e entidades da sociedade civil — orientado ao desenvolvimento de programas de formação continuada na área cultural em todo o Brasil.
Missão
Promover a formação continuada dos diversos operadores da cultura a partir da integração de iniciativas de capacitação, na perspectiva de educar através da CULTURA, para a CULTURA
Objetivo Geral
A Universidade da Cultura Livre pretende articular programas e iniciativas visando à formação continuada de operadores da cultura, nos mais distintos níveis, promovendo intervenções (através do Estado, de entidades privadas ou da sociedade civil) objetivando suprir as demandas culturais da população e valorizar suas representações simbólicas a partir de inúmeras estratégias de formação.

Siga o twitter da @_UniCult

sábado, 19 de março de 2011

Compacto.Rec lança em Março a banda baiana Maglore


Compacto.Rec em Março, mês de carnaval lança o primeiro álbum completo da banda Maglore, o grupo tem circulado por boa parte do país e é alvo de boas críticas por onde passa, conquistando também uma legião de fãs. Maglore é a segunda banda Baiana lançada no projeto que contou com a presença dos Barcos em Janeiro provando que a Bahia tem possibilidades artísticas infinitas e de muita qualidade.

O Compacto.Rec
O Compacto.Rec é um projeto de lançamento mensal de álbuns virtuais em rede, com o objetivo de estimular a circulação e distribuição de bandas da cena independente latino americana. O trabalho é uma realização do circuito Fora do Eixo, uma rede de trabalhos colaborativos e os agentes que integram a equipe são oriundos dos mais distintos lugares do país que, através da internet trabalham em conjunto executando toda a pré-produção do Compacto.Rec: uma compilação com músicas, letras, release, fotos, vídeo, banners e avatares, que são divulgados em todos os veículos de comunicação integrados a rede.
Desde 2007 o Comapacto vem trazendo la
nçamentos diversificados em diversos aspectos e principalmente, em estilo musical agrupando um rico acervo cultural que atrai visitantes de todo o Brasil, só em 2009 foram mais de vinte mil downloads no ano. Já passaram pelo site bandas renomadas como Porcas Borboletas, Nevilton, Diego e o Sindicato, o rapper Linha Dura e outros. Em 2010 o projeto expandiu mais uma vez suas fronteiras em Outubro com seu primeiro lançamento internacional o álbum “YYY” da banda Falsos Conejos de Buenso Aires (ARG) além de ter sido recentemente contemplado pela Bolsa Funarte de Reflexão Crítica e Produção Cultural para Internet.

A Banda
Em agosto de 2009 nascia o MAGLORE. Conceitualmente, o quarteto faz um rock “tropical”, ou, segundo a crítica (Laboratório Pop/Ricardo Schot): indie rock. De todo modo, não deixa de ser também pop, assumidamente – com um conceito reformulado desse termo tão temido pelas bandas. Isso porque o grupo acredita num novo rumo para a música pop, mas não acredita que ela tenha que ser mal feita, ou presa às fórmulas “cansadas” do mainstream.
O grupo, advindo de Salvador-BA, é formado por Léo Brandão (teclado e guitarras), Nery Leal (baixo), Igor Andrade (bateria) e Teago Oliveira ( Voz e guitarras ).


O Disco
O disco, intitulado “Veroz”, de produção inteiramente independente do grupo. O álbum traz as músicas do trabalho antecessor, o EP de cinco músicas: “Cores do vento”, somados às novas canções que compõe o disco “VEROZ”. É um trabalho heterogêneo, todavia, com a mesma precisão estética entre as músicas.
O acabamento estético de “VEROZ”, inspirado na obra do argentino Diego Gravinese (www.diegogravinese.com), é um reflexo do diversificado conteúdo musical da banda. Fugindo de conceitos, trata-se de um disco de música essencialmente popular. Feito para se cantarolar no chuveiro, nas ruas – e nos shows! – é um conjunto de músicas diferentes entre si, que, contudo, remetem a uma identidade musical própria, seja pelas letras, pelos timbres de guitarra ou pela estrutura das próprias canções. É um disco para se ouvir sem preconceitos, sem rótulos e de peito aberto, sobretudo porque foi feito com sinceridade.

sexta-feira, 18 de março de 2011

Noite Fora do Eixo Fevereiro#2

Já que começamos a falar de coberturas audiovisuais vamos aproveitar e conferir a cobertura de uma noite que entrou para a história de Sete Lagoas. Uma banda argentina que mescla cumbia, ritmo tradicional e folclórico dos hermanos, com batidas e samples eletrônicos. Um show que deixou todos de boca caída. Para abrir o espetáculo a banda belorizontina The Hell's Kitchen Project que também causou estranhamento ao público por não ter guitarras.
Mais uma vez nosso núcleo de audiovisual, Vleydson, captou os melhores momentos, conversas com as bandas e impressões do público para montar esse vídeo que retrata um pouco daquela noite especial.
ASSISTAM e confiram como essa foi uma das noites mais marcantes do Colcheia em Sete Lagoas.

quinta-feira, 17 de março de 2011

Cobertura Audiovisual Lançamento Grito Rock

Já que estamos falando de Grito Rock vamos relembrar do dia em que o evento foi, oficialmente, lançado na cidade. Uma noite no Opinião Pub com shows do lendário El'Son da Terra com muita conversa, trancendentalismos e suas músicas autorais.
Para fechar com chave de ouro a banda pairaibana Cabruêra fez todo o Opinião se mexer, até ciranda rolou. Enfim, foi uma noite de suar a camisa e não botar defeito. Confira agora a cobertura audiovisual feita por Vleydson, nosso integrante e membro do Clube de Cinema do Circuito Fora do Eixo.



Esperem que daqui a pouco os vídeos do Grito Rock vêm por aí também.

quarta-feira, 16 de março de 2011

Fotos!!!!

Para aqueles ávidos por imagens nosso fotógrafo oficial Marcelo Alves Miranda registou alguns momentos do festival Grito Rock Sete Lagoas. Temo fotos do público, da estrutura física do evento e, é claro, das bandas que se apresentaram em um dia histórico para a cidade.
Confira as fotos no flickr do colcheia, onde tem o resgistro de todas as nossas ações, desde cartazes à fotos de todos os eventos do coletivo.
Ao lado, na barra lateral do blog, temos um aplicativo que direciona para o Flickr do coletivo e também exibe as últimas atualizações. Fiquem ligados nele para saber quando tem novidade e acessar.

Vejam a cobertura do Grito Rock Sete Lagoas feita por Marcelo Alves Miranda em: http://www.flickr.com/photos/coletivocolcheia/

terça-feira, 15 de março de 2011

O Grito pro Pedrão

Tudo parecia que ia desabar nas cabeças dos Colcheias. O céu escuro, ameaçava o primeiro Grito Rock em Sete Lagoas. Pela manhã, o tempo estava nebuloso, mas parece que as mandingas e pedidos foram aceitos por São Pedro. A chuva, que caía até o meio-dia, parou, o céu se abriu, as nuvens deram um tempo ao tempo chuvoso.




Então mais nada poderia segurar o Grito Rock Sete Lagoas.

Com um palcão armado na Praça Tiradentes, o som começou rolar pouco depois das 17h, com a local Gruvie. Com as suas já tradicionais fãs ao pé do palco, eles fizeram um show foda, com a presença ilustre do Mr. Giuliano Fernandes. Era o começo de um evento que prometia mais. Muito mais.




Depois foi a vez dos Pré-Pagos assumirem a direção da música. Vindos de Barbacena, ou BQ para os mais íntimos (Barbacena Querida, e acho que os Colcheias já podem se dar ao luxo de poder chamar assim), eles fizeram seu rock balançar os presentes, que mesmo sem conhecer as letras, cantaram juntos. A essa hora, o padre da Paróquia de Santo Antônio ameaçava paralisar o show para poder celebrar sua tradicional missa de sábado. Mas o Colcheia já tinha provado que tem o santo forte. E não houve nenhum problema e tudo continuou correndo na praça.




Quem depois subiu ao palco foi o Cidadão Comum, banda da nossa vizinha e amiga Ribeirão das Neves. Eles fizeram a praça tremer, com um show que a gente já conhece bem, mas não deixa de curtir nunca. Uma licença para dois covers, já que o público pediu bis. Tá feita a exceção camaradas, já que é para atender a moçada que lá embaixo gritava mais.




E para encerrar a fase de shows abertos na praça, os meninos do Absinto Muito, que foram deslocados do Route 66 para o palco do Casarão de última hora, mostraram mais uma vez maturidade no som, incluindo ai novidades de novas músicas. O público pediu bis, mas infleizmente, pelo avançar das horas, tivemos que encerrar na praça.




Um show à parte foi o público. Fantástico, ouviu cada música que vinha do palco. Bebês, crianças, jovens, idosos. Um pessoal interessado em cultura.




Já a noite estava reservada para o inferninho. Escalada de última hora para preencher o espaço vago na programação, a Ganga Bruta - que a princípio havia definido que não tocaria neste evento - foi pro Route com a missão de apenas tocar algumas músicas e esquentar o público para as meninas de Goiânia. Mas do palco posso falar: foi um ótimo show da banda, daqueles que a energia rolou solta.




E prá fechar, as Girlie Hells mostraram a que vieram. Fizeram um showzaço lá no Route, com vários curiosos sendo tomados de surpresa por verem um monte de meninas botanto prá quebrar. E foi ótimo. Fato. Como disse ao final do show, espero que elas sirvam de inspiração para as garotas de Sete Lagoas montarem suas bandas. Está faltando isso por aqui.




E no mais, o Colcheia agradece imensamente todos os apoiadores, que nos dão força sempre.

O Grito foi uma homenagem ao Pedrão, que segurou a chuva até o último instante. São Pedro também Grita Rock!!

sábado, 12 de março de 2011

Comunicado!!!!

COMUNICADO!!!!

A banda Absinto Muito vai fechar os shows da Praça Tiradentes e no Route 66 toca Ganga Bruta!

Programação:
16:00 - Praça Tiradentes
Gruvie
Pré Pagos
Cidadão Comum
Absinto Muito

22:00 - Route 66
Ganga Bruta
Girlie Hell


sexta-feira, 11 de março de 2011

Já começou!

Toda a movimentação do Grito Rock Sete Lagoas já começou a muito tempo, mas ações mesmo foram à rua hoje. O Monumento ao Rock, concebido por Felipe Godoy e montado por muitas mãos criou forma hoje. Saiu das mentes e virou uma grande escultura em praça pública.

Toda a movimentação foi acompanhada e twitada pelo Colcheia, vários Twitpics ilustram toda o processo de montagem do monumento.
Enquanto alguns faziam arte outros pegavam no pesado e montavam o palco das atrações de amanhã. Uma estrtura enorme, fechando a rua para o público poder aproveitar os shows na tarde de sábado. Tudo no Twitter!

Amanhã haverá transmissão ao vivo por web rádio de todos os shows da Praça, além de entrevistas com as bandas e com o público.
Acompanhem o twitter e fiquem por dentro de tudo do Grito Rock Sete Lagoas!

quarta-feira, 9 de março de 2011

Fora do Eixo Letras lança OrFEL durante Grito Rock

“E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade”. João 1:1,2,3,14.


É cheia de graça que a FEL, Fora do Eixo Letras, vem anunciar a edição #oo do Zine orFEL. Cheia de verdades, tantas vezes inverossímeis ou duvidosas, que só a literatura comportaria.

Tal qual se narra por aí, diversas histórias da criação do mundo começaram através da palavra. Oralizada, estórias viajaram grandes espaços. Registradas, fosse em antigas páginas de livros ou em guardanapos ignorados por garçons, a palavra gritou sua muda voz para que a lêssem, para que a tomassem de assalto, para que, uma vez imersos em seu silencioso mundo, participássemos poeticamente da criação do universo.
É inserida nessa perspectiva participativa que a FEL criou, reunindo palavras de todos os cantos do Brasil, o Zine orFEL, cujo objetivo dessa edição inaugural é circular nos blogs e nas mãos por diferentes espaços, nesta nova medida de tempo chamada: GritoRock.

A FEL conta com o gesto generoso de todos leitores dessas suas páginas embrionárias, e conta ainda com a colaboração daqueles que se interessarem em participar de suas próximas edições, expansivamente.

Boa leitura a todos!





Licença Creative Commons

sábado, 5 de março de 2011

Artes Integradas no Grito Rock: Monumento ao Rock

O Artista plástico Felipe Godoy, já mencionado neste blog, entrou em contato com o Colcheia propondo uma intervenção artística pra a edição do Grito Rock em Sete Lagoas, tornando-o um festival de Artes Integradas.

O propósito é construir com matéria prima encontrada, pedida, buscada, doada, que com toda sua propriedade dobrável, acumulável, moldável pelas mãos humanas, transformando o acúmulo em monumento, uma mão humana, onde os dedos indicador e mindinho estão levantados para cima, monumento ao rock, o símbolo do rock.
Qualquer roqueiro que se preze já fez o tal símbolo com as mãos.





O monumento discutirá a problematização das informções passadas de geração a geração, onde a repetição de gestos em sua maioria perdem o primeiro significado, passando de geração pra geração resignificando-se, uma das suposiçoes é de que a mão chifrada era usada pelos vikings em louvor ao deus pagão Odin, onde os dedos indicador e mindinho levantados imitavam os capacetes usados pelos deuses nórdicos. Este símbolo depois foi popularizado por Ronnie James Dio, que segundo o cantor, havia tirado de um antigo costume de sua vó italiana que usava este sinal de mão para afastar energias ruins.

Portanto junte papelão, pente de ovos, caderno usado, papel velho, barbante e muita disposição para ajudar a montar esse monumento ao rock. A concentração será às 14 horas, na praça Tiradentes, local de realização do Grito Rock no dia seguinte. A construção se estenderá tarde a dentro e todos serão bem vindos. A obra será feita à muitas mãos, participe!

sexta-feira, 4 de março de 2011

Conheça as bandas do Grito Rock: Girlie Hell



Uma das grandes surpresas do Grito Rock Sete Lagoas é a banda feminina Girlie Hell, vinda de Goiania para fazer um showzão no Route 66.
Formada em 2008, a banda goiana Girlie Hell, é composta por cinco jovens garotas na faixa dos 20 anos, que, sem qualquer papas na língua, agregam rock´n roll de primeira, em letras diretas, sensuais e inteligentes.
Vindas de outras bandas e possuindo várias influências, as integrantes (Sarah, vocal; Lola, baixo; Carol, bateria; Bullas, guitarra solo; Kaju, guitarra base) se juntaram, em Goiânia, no intuito de fazer um som com influências de Runaways, AC/DC, Judas Priest, The Donnas, Crucified Barbara, entre outros. Com letras irônicas, a idéia não é maldizer os homens, mas tratá-los como eles geralmente nos tratam em suas músicas. Estão em fase de divulgação do primeiro EP ‘Shake your ass’, lançado em junho de 2010, cuja música de trabalho, ‘Tonight’, pode ser baixada ou executada em vários sites da web.
Na estrada: Girlie Hell fez seu primeiro show no Barbarella Music Festival em Goiânia. Logo após, foram convidadas para tocar no 4º Release Alternativo, festival também goiano, produzido pela Fósforo Cultural. A aceitação do público e dos produtores foi incrível, apesar de ser uma banda nova, o show foi muito bem comentado. No mesmo mês, a banda se inscreveu e foi selecionada na promoção “Novo Mundo + Rock lab”: as bandas selecionadas ganharam uma gravação ao vivo que aconteceu durante o Goiânia Noise Festival 2008, produzido pela Monstro Discos, em um estúdio montado no mesmo. Como se não bastassem, para sua surpresa, tantas conquistas em tão pouco tempo de banda, começaram 2009 como destaque na página principal do site Palco Mp3 da Cifra Club, devido ao grande número de acessos. No primeiro semestre de 2009 a banda foi selecionada entre mais de 400 bandas como uma das 5 bandas escolhidas para tocar no VII Festival Rock Feminino em Rio Claro (SP), de volta a Goiânia tocaram nos festivais Girls Girls Girls e Rock in Cena II, além do evento Electropunk'n roll do espaço Metropolis, e dos festivais Rock Solidário e na edição 2009 do Grito Rock, também pela Fósforo Cultural.
Antes do polêmico show de lançamento da sua primeira EP, Girlie Hell abriu o sábado de shows do conhecido festival Bananada produzido pela Monstro Discos. O segundo semestre de 2009 já começa com um show na 8º edição do popular Vaca Amarela, produzido pela Fósforo Cultural. O objetivo da banda agora é trabalhar e melhorar cada vez mais suas músicas e shows, pois o caminho é longo.
Veja o vídeo da música Get Off
Conheça as músicas no Myspace
Siga o Twitter da banda

quinta-feira, 3 de março de 2011

Conheça as bandas do Grito Rock: Absinto Muito

Garotos sempre amigos e amantes da boa música. Desde cedo ambientados com instrumentos, shows e amigos com bandas. Começaram tocando em intervalos na escola em que os irmãos Henrique (baixo) e Renato (guitarra) estudavam juntos com André (bateria). Sempre que surgia uma oportunidade lá estavam eles com um violão nas mãos ou entoando uma canção, o fato é que a música sempre perseguiu esses jovens.
Um festival nessa mesma escola premiava os alunos que compusessem uma música. Na oportunidade entra pra banda o vocalista Felipe Godoy e formou-se pela primeira vez a banda que não poderia perder essa oportunidade de tirar um som. Absinto Muito, o nome parecia aos jurados mais uma brincadeira, mas a banda ganhou o prêmio e hoje é reconhecida pelos professores e demais funcionários da escola que achavam que eles usavam a música para ficar livre de alguns minutinhos de aula.
Depois disso a banda logo gravou um CD/demo com canções próprias, com lançamento no Casarão com direito a casa lotada. Fez vários shows em 2010, sempre com um bom público que os acompanha na cidade. Já se apresentou também em outras cidades de Minas como Diamantina, São Gonçalo do Rio das Pedras, Milho Verde, Serra do Cipó, Pitangui e na capital Belo Horizonte.
Apesar de muito novos (18 a 22 anos) o passado influência muito o som da banda tendo como grande referência em suas composições a essência do rock, com muito blues misturado com o rock progressivo. O visual também refere-se à esse passado que os influenciou, usam roupas que os fazem parecer ter parado nos anos 70, todos se vestem como autênticos hippies, com direito a faixas no cabelo e tudo mais.
O vocalista é um personagem a parte, já falamos dele aqui, um verdadeiro artista, Felipe Godoy, chama atenção por onde passa com suas madeixas coloridas, ora verdes, ora azuis e com uma presença de palco incrível.
Ouça as músicas da banda
Siga no Twitter
Assista vídeos de shows e clipes